CMCG se posiciona contra o fim do racionamento no mês de agosto

A notícia de que a Cagepa definiu o fim do racionamento de água em Campina Grande para o dia 26 de agosto pegou os vereadores campinenses de surpresa. Falando pela maioria, a presidente Ivonete Ludgério (PSD) declarou que a Câmara Municipal de Campina Grande é contra o término do racionamento nesse momento, em que o Açude Epitácio Pessoa ainda possui um volume baixo e não garante segurança hídrica para Campina Grande e os demais municípios abastecidos por ele. O assunto já foi discutido em Audiência Pública realizada no mês de julho.

Dados da Agência Executiva de Gestão das Águas da Paraíba (AESA), fornecidos nessa terça-feira (08), informam que o açude de Boqueirão se encontra na atualidade com 7,9% da sua capacidade. Mesmo recebendo água diariamente oriunda da transposição do Rio São Francisco, os vereadores veem o fim do racionamento como uma medida precipitada.

A proposta de acabar com o racionamento foi amplamente discutida no Plenário da Câmara Municipal no mês passado, durante uma audiência pública convocada pelo vereador Sargento Neto (PRTB) e que contou com especialistas no assunto, autoridades da área e a população campinense.

“Após a audiência, ficou claro que os vereadores não concordavam com o fim do racionamento nesse instante”, declarou Neto. Segundo ele, houve um consenso de que o fim do racionamento nesse momento, em que Boqueirão apresenta um baixo volume d’água, não seria viável. Essa opinião foi compartilhada com a população que lotou as galerias da Casa de Félix Araújo durante o debate.

“Não possuímos ainda segurança hídrica para decretar assim de imediato o fim do racionamento”, comentou a presidente do Poder Legislativo campinense, Ivonete Ludgério. “Sabemos que todo racionamento causa alguns inconvenientes para a população, mas nesse momento é necessário esperar um pouco mais, de modo a garantir mais segurança hídrica para nosso povo, pois o volume do Açude de Boqueirão ainda é muito baixo”, acrescentou.

Compartilhar: